Conheça meu livro que conta a história de Ourém do Pará:

http://www.overmundo.com.br/banco/oureana-de-alem-mar-ourem-terra-de-moura
Loading...

domingo, 20 de março de 2011

Quintino, o "Gatilheiro"


Na carteira de identidade apresentada na justiça, constava o nome Armando Oliveira da Silva, mas era mesmo conhecido por Quintino, talvez seu verdadeiro nome, que completo seria Quintino da Silva Lira, que se auto-intitulou o “Gatilheiro”.

A saga de Quintino é digna de virar roteiro de cinema e jamais poderia deixar de ser citada e até merecer um capítulo especial na memória de um dos diversos municípios do nordeste paraense, onde reinou nas selvas desde 1981 até ser morto pela polícia militar do Estado Pará, na data de 04/01/1985.

Teria ele nascido no Município de Bragança, sendo filho de Domingos da Silva Lira e de dona Raimunda da Silva Lira, vivido a infância na localidade Jussaral, em Viseu e dentro ainda desse Município, passou pelas localidades de São José do Piriá e Baixinhos, às margens do rio Gurupi, onde se separou de sua primeira mulher e prima de nome Helena, com quem deixou três filhos, um menino e duas meninas, indo para Primavera, fixando-se depois na localidade de “Pau-de-Remo”, então Município de Ourém, local onde iniciou sua carreira de “justiceiro” marcando suas trilhas em densa mata, com um rastro de sangue que só acabou quando tombou morto a oito quilômetros da Vila Nova Piquiá, solo de Viseu, com um único tiro mortal no peito, em cima do coração, supostamente de fuzil.

Do personagem que viveu ao lado de seu bando, inicialmente composto por “Coruja”, “Mão de Sola”, “Portinho” e “Cabralzinho” e que chegou a ter sob seu comando mais de quarenta homens, e se fosse preciso, segundo o próprio, reuniria até trezentos simpatizantes pela sua causa, podemos dizer que lembrava um pouco “Lampião” e seu cangaço pela postura exibicionista e armamento à base de rifles-44, cartucheiras e revólveres de diversos calibres. Era vaidoso em seu visual, cuidando bem do bigode e unhas, vestindo-se de acordo com a ocasião, camisas de tecido com botões e botas de vaqueiros ou camisetas esportivas de algodão com calças jeans e sandálias havayanas, sempre com um inseparável chapéu de massa escuro com abas e cordão que às vezes prendia ao queixo. Quintino que entre outras ousadias chegou até a distribuir terras para os colonos, que eram medidas pelo topógrafo do bando chamado Silvestre, morto em Capitão Poço, perdeu também sua companheira de nome Maria Antonia da Silva e outros comparsas em vários confrontos com a polícia, sendo “Cabralzinho” o primeiro a tombar morto no início dos conflitos. Da primeira formação de seu bando, “Mão de Sola” ainda estava com ele no final e “Bodão”, que entrou depois era outro de sua confiança que sempre lhe acompanhava nos momentos difíceis. Quintino matou ou mandou matar muitos, principalmente fazendeiros e policiais em missões. Sempre se gabava que tinha melhor índole que o lendário “Lampião”, pois jamais matava criança ou colono: “Só mato gente rica”, sentenciava.

No dia de sua morte, estava desacompanhado de seus capangas tomando um mingau na casa de seu Florismar, velho amigo que era conhecido na Vila Nova Piquiá, por seu “Flor”. “Mão de Sola” e “Bodão” ficaram na vila. Ainda faltavam alguns minutos para as dezenove horas daquela chuvosa noite de 04/01/1985, quando avisado por um policial que já estava no interior da casa de que estava cercado pela polícia, em ato-contínuo teria se levantado do tamborete em que se encontrava sentado, pegado seu revólver em cima de um guarda-roupa que estava atrás de si na cozinha e dito suas últimas palavras aos amigos da casa: “não sai ninguém, que eu vou morrer sozinho”. Saiu pela porta dos fundos e então se ouviu mais de duzentos tiros por aproximadamente cinco minutos. Só um o atingiu, aquele tiro, supostamente de fuzil, que explodiu seu coração.

Quintino virou mito e em crônica contaremos agora o resumo de seu reinado de “Gatilheiro”:

Quintino da Silva Lira ou Armando Oliveira da Silva eram o mesmo homem e até o início dos anos 1980 não passava de um simples agricultor na localidade de Pau-de-Remo, então Município de Ourém. Porém, a situação imposta pelos sistemas de governo apresentadas no Brasil, com injustiças sociais aflorando por toda parte, fez aquele pacato colono tornar-se um dos mais temidos fora-da-lei do norte do país.

As injustiças na distribuição de terras geraram conflitos ao ponto de Quintino perder companheiros de forma covarde, motivando-o a arregaçar as mangas e tomar uma brava atitude de liderar um grupo de colonos rebelados contra o injusto sistema, indo literalmente a luta com armas nas mãos.

Quintino que foi comparado à Robin Hood, Zumbi, Antonio Conselheiro e “Lampião” desta nova era, quis evitar tais comparações, se auto-intitulando de “Gatilheiro”, uma nova expressão para um novo herói do campo.

Ele na verdade teria matado, revidado, roubado e chantageado, porém não como sua fama mostrou. Sempre houve exageros, e também é verdade que se criou o mito de que ele teria parte com o diabo, usando técnicas que lhe permitiam desaparecer aos olhos de seus perseguidores, como se transformando num toco, cão ou outro animal qualquer. Na verdade, Quintino não virava nada e sim sabia se virar nas adversidades com muita sabedoria, mostrando-se um excelente líder estrategista. Era muito bem informado de todos os passos da polícia e de qualquer outro perseguidor.

O que ele fez podia até não estar certo, porém mesmo inconscientemente, Quintino conseguiu coisas que nossos governos e nossa justiça nunca ousariam solucionar, como por exemplo, a reforma agrária.

Mesmo procurado nos quatro cantos pelas tropas do coronel PM Cleto, comandante das tropas na região, que se embrenharam nas matas tendo a frente o capitão PM Cordovil, época em que era governador do Estado do Pará, Jader Fontenelle Barbalho, Quintino desapropriou terras, assentou “sem-terras”, resolveu conflitos como se fora um Juiz de Paz e até casamentos realizou, causando temor e admiração ao mesmo tempo.

Quem o conheceu na intimidade impressionou-se com aquele mortal, dotado de uma obstinação invejável, em busca de um ideal comum com sua gente: a justiça propriamente dita.

Foram aproximadamente quatro anos de reinado em mata fechada, período-referência em que muitas autoridades nada fazem para atenuar o sofrimento do povo do campo, e mesmo assim relacionava-se com as mesmas, com fazendeiros e comerciantes na medida em que a regra era ditada. Quem veio para conversar, teve conversa. Quem foi para guerrear, teve guerra. Quem se chegou para traí-lo, conseguiu, pois o “Gatilheiro” era também um poço de ingenuidade, e tombou para sempre no ritmo do pipocar das armas da polícia militar.

Quintino foi e sempre será o que as pessoas quiserem dele achar, pois de tudo tinha um pouco, e pode ter sido um herói, bandoleiro, justiceiro, cangaceiro, gatilheiro, Robin Hood, Zumbi, Antonio Conselheiro, “Lampião”, um toco ou um cão, o diabo... Dependendo do ângulo ou dimensão que se queira dar ao seu papel na história, porém uma coisa deve ser dita sem pestanejar: Quintino foi uma das figuras mais importante neste final de século e milênio, trazendo para discussão assuntos e temas outrora esquecidos ou engavetados pelas autoridades. Descansa em paz, “Gatilheiro! (crônica de Arlindo Matos, escrita em setembro de 1997 para o jornal “Informativo Popular” de Capitão Poço, e que por tanto sucesso foi repetida no jornal “Folha do Gurupi”, de Viseu, em novembro do mesmo ano).

(Arlindo Matos – Oureana de Além-mar, Ourém terra de Moura-02/07/2007)

20 comentários:

  1. a maior parte e mentira

    meu pai era policia na epoca e tava la em todas as mortes ..

    quintino levou 2 tiros um de fuzil e outro de carabina !!! cabralzinho foi amarrado vivo em uma arvore... e fuzilado logo dps ...

    e esse quintino sempre foi safadao tirava virgindade das meninas e outras cousas mais...

    ResponderExcluir
  2. quintino morreu com 1litro de pinga na mao

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pela informação adicional Falcão. saquei que seu pai era policial e você legista do IML. Abraço

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito da sua crônica,faltou alguns detalhes importantes a respeito de Capitão Poço mas não tem nada não quando esquecer de alguns detalhes também são ossos do ofício porém um sinal para à perfeição de cronista .valeu
    PARABENS.

    ResponderExcluir
  5. Meu pai na época esperou ele em tocaia ,pra mata-lo junto com o bando de Manoel Coutinho.
    Me lembro muito, do momento em que ele saiu de casa com um rifle papo amarelo que ele tinha .Não entendia nada naquela tempo,porém a euforia deles era grande .
    Meu pai finado,Domingos Ramos de Aguiar,filho de Antonio Coutinho Aguiar /mas, meu pai morreu mesmo foi de acidente em fevereiro de 2006.

    ResponderExcluir
  6. É Williamy, vc tem razão respeito da omissão de Capitão Poço, porém é só uma crônica, onde a poesia e suas metáforas andam de mãos dadas para romancear um pouco uma página da realidade, vivida de nossa região. Não temos aqui o compromisso em investigar todos os eventos consequentes desse conflito, mas obrigado pela observação. Na época eu era funcionário da justiça, hoje sou fã da história de Quintino, que mesmo inconscientemente talvez, foi um ícone de bravura contra os opressores de plantão da época. Abraço de Ourém

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoro ser sobrinha do Quintino, apesar de nao te-lo conhecido pois nasci bem depois! cresci ouvindo essas histórias meu avô me contava....srsrsr achava o máximo e ainda acho ele matava akeles safados que roubavam as casinhas dos pobres se apoderavam de suas terras, e oprimiam a população inocente.... aff!ele foi um herói.

      Excluir
    2. Oi Antonia, sou estudante da UFPa e estou fazendo meu TCC sobre teu Tio, Quintino, gostaria de entrar em contato com vc, ou alguem de sua familia para saber mais detalhes sobre ele, Historias, familias, motivos, algo mais acerca de Quintino. Gostaria que vc entrasse em contato comigo pelo e-mail riccchaves@hotmail.com para podermos conversar. Obrigado
      Ricardo

      Excluir
  7. BOM DIA
    O QUINTINO NAO SE DEIXOU MANIPULAR,POR UM PEQUENO GRUPO DE GANANCIOSOS,QUE NOS SEMPRE COLOCAMOS NOS PRINCIPAIS CARGOS,ATRAVES DE NOSSO VOTO.
    ESPERO QUE ELE ESTEJA EM PAZ.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. O que esse falcão disse? Mentira. Talvez ele precise ler o livro da doutora, pesquisadora Violeta loureiro: "Estado, bandidos e Heróis", que fala da saga de Quintino o herói Amazônida e da Polícia, representante de um estado omisso na questão da reforma agrária.

    ResponderExcluir
  10. Meu pai foi procurado na madrugada por ele pra saber se ele e outros estavam ajudando o o tal de paraná fazendeiro para matá-lo.
    Ele foi varias vezes la em casa, eu um vez apanhei porsuacausa ,pois fui ao bananal pegar banana e voltei apavorado quando o vi.
    Meu pai me bateu pois acreditou que era mentira minha.
    Ele jantou varias vezes lá com seu bando, minha mãe e minha mãe ficavam apavorados.
    lembro o quanto minha mãe sofreu quando mão de sola pediu pra meu irmão mais leva lo de de burro até a boca nova.
    tempos ruins, no entanto ele pra mim era bem vindo.

    ResponderExcluir
  11. Ele nunca deve ser considerado como bandido ou outro tipo personagem pejorativa. Afinal ele fez o que o estado não fez, ao contrario se omitiu diante dos sem terra e deu privilégios aos fazendeiro ... e criminalizou quem se defendeu e defendeu a outros.

    ResponderExcluir
  12. eu estive presente no dia de sua exumação em capanema_pará

    ResponderExcluir
  13. Boa tarde a todos Me chamo Frank Braga, moro atualmente na Grande Curitiba-Pr, mais nasci no município de Viseu-Pa, mais precisamente na localicade do km 74, cresci em pequeno povoado conhecido por Vila nova do Piriá, o senhor Florzinho o qual foi citado neste belo artigo é meu tio casado com a irmã do meu pai (Antonio Braga), não lembro muita coisa dessa epoca, afinal eu só tinha três anos de idade, mas, cresci olhando umas fotos dele que meu pai guardou por um bom tempo, tinha uma que ele (Quintino) estava comigo no colo, um pouco antes de sua morte e uma outra em que ele e meu pai em uma brincadeira apontavam cada um seu revolver para o outro, infelizmente essas fotos se perderam com o tempo e não consegui digitalizar.
    O meu pai ainda é vivo (mora na cidade de Igarapé açu-Pa) e lembra de muita, coisa pois, conviveu de perto com Quintino e seu bando, tenho um irmão que tem atá hoje o apelido de mixaria em homenagem a um capanga dele que se chamava assim, segundo me contou meu pai, quem na verdade avisou Quintino sobre a presença da policia na casa do tio Flor foi meu primo que foi fazer xixi do lado de fora de casa e quando pôs a cara para fora gritou pro seu pai: pai a casa está verde de policia(em referencia a cor do uniforme da
    policia paraense).
    Esse meu primo chamava-se Guilherme e era conhecido como gui, morreu em 1994 no mesmo lugar onde Quintino morreu, o seu pai (o tio Flor) mora em uma vila chamada Marapinima, me parece que no município de Capitão Poço. gostaria de saber mais coisas sobre o assunto bem como, compartilhar com alguém o que sei sobre o assunto.
    Meu contato é:
    http://frankbragajrna.blogspot.com.br/ , esse é meu Blog.
    Email: frankbragajrna@hotmail.com
    Tel: 41 8522 2977 oi
    41 3060 2593 fixo gvt
    Que a graça e a paz de Cristo esteja com todos.

    ResponderExcluir
  14. Belo depoimento Frank... confere com tudo que foi dito em audiência, por seu "Flor" e Milton, quando funcionei como escrivão da dita audiência em Ourém, desaforada de Viseu para julgamento dos militares em Belém... precisamos conversar mais... abraço de Ourém!

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. vlw meu mano vai ser um prazer dialogar com vc, amo essa historia

    ResponderExcluir
  17. Conhci demais o quintino, na época eu morava no Japim-Viseu onde quiitino passava a maior parte do tempo, eu tinha uma camionhete onde fiz varios fretes pra ele e seu bando, o mesmo pagava muito bem pela as corridas.não tenho nada contra.

    ResponderExcluir